Palmeiras e São Paulo monitoram situação de Mano no Cruzeiro para 2018

Palmeiras e São Paulo monitoram situação de Mano no Cruzeiro para 2018

A situação de Mano Menezes no Cruzeiro é monitorada por dois clubes paulistas: Palmeiras e São Paulo. O técnico campeão da Copa do Brasil 2017 tem contrato terminando em Minas ao fim do ano, e sua

Leia tudo

A situação de Mano Menezes no Cruzeiro é monitorada por dois clubes paulistas: Palmeiras e São Paulo. O técnico campeão da Copa do Brasil 2017 tem contrato terminando em Minas ao fim do ano, e sua renovação está travada devido as mudanças no comando cruzeirense.
O curioso é que tanto Palmeiras, quanto São Paulo têm seus treinadores atuais com contratos válidos até o final de 2018, Cuca e Dorival Júnior, respectivamente. Ou seja, se quiserem Mano realmente, terão que romper acordos vigentes.

No Morumbi, uma aproximação mais concreta sobre Mano vai depender muito do que acontecerá com o time ao término do Brasileiro. Se mantendo na Série A, a chance de avanço em uma negociação é maior, avalia-se no clube. Não se sabe se Mano estaria disposto novamente a “salvar” uma equipe paulista na Série B, como fez com o Corinthians em 2008.

A multa rescisória de Dorival Júnior é de dois salários (algo em torno de R$ 600 mil), bem inferior, por exemplo, dos R$ 5 milhões que o clube acertou com Rogério Ceni, que começou a temporada no banco de reservas do São Paulo e foi demitido em julho.

Cuca, no Palmeiras, tem vínculo até o fim de 2018, mas a irregularidade do time no ano faz com que sua situação para a próxima temporada seja uma incógnita. O próprio treinador já afirmou que avaliaria uma permanência, voltando atrás depois para falar que pretende cumprir o contrato. E Mano Menezes é um desejo antigo da direção palmeirense.

Quando Cuca deixou o clube após o título brasileiro de 2016, Mano Menezes era o primeiro na lista do Palmeiras, mas não quis deixar o Cruzeiro (tinha uma multa alta também, de aproximadamente R$ 5 milhões). Eduardo Baptista acabou contratado, não funcionou, saiu em maio e Cuca retornou, porém sem o mesmo sucesso do ano passado.

A troca na presidência do Cruzeiro, com a entrada de Wagner Pires e a saída de Gilvan Tavares, fará com que os homens de confiança de Mano no futebol cruzeirense sejam trocados (como Bruno Vicintin, vice de futebol que já saiu).

Com essas mudanças na Toca da Raposa, e mercado aberto em São Paulo, Mano pode se dar ao luxo, se quiser, esperar o fim do Brasileiro para tomar uma decisão sobre seu futuro.

- Fonte: Blog do Marcel Rizzo

Posts Relacionados