Se não soma então suma! O tal relacionamento abusivo.

Se não soma então suma! O tal relacionamento abusivo.

Você está envolvido em um relacionamento estranho e destrutivo? Seus velhos amigos estão se distanciando ao mesmo tempo que parentes dizem que você parece não gostar de si mesmo? Antes de obter

Leia tudo

Você está envolvido em um relacionamento estranho e destrutivo? Seus velhos amigos estão se distanciando ao mesmo tempo que parentes dizem que você parece não gostar de si mesmo? Antes de obter novamente a individualidade e força, é necessário determinar se o relacionamento está realmente tirando algo de você; caso a resposta seja positiva, é necessário colocar um ponto final a esse ciclo de destruição.
Verifique se algum dos sinais de abuso ou manipulação estão presentes. Leia os tópicos abaixo e responda honestamente, sem justificar o comportamento do parceiro – não diga “ele nem sempre é assim” ou “só aconteceu uma ou duas vezes” –, pois se isso já ocorreu, é um problema grave. Basta responder “sim” ou “não”; mesmo três ou quatro respostas positivas significam que é hora de ir procurar outra pessoa, que trate você com o respeito que merece. Seu parceiro:[1]:
Zomba ou constrange você na frente dos amigos e da família?
Minimiza suas conquistas ou não incentiva você a conquistar seus sonhos?
Faz com que você se sinta incapaz de tomar decisões?
Usa da intimidação, culpa e ameaças para obter sua complacência?
Diz o que você deve ou não vestir?
Fala como deve deixar ou pentear o cabelo?
Diz que você não é nada sem ele ou que ele não é nada sem você?
Te trata de maneira grosseira sem o seu consentimento, beliscando, agarrando, empurrando ou até agredindo?
Faz várias ligações por noite ou aparece para garantir que você está onde disse que estaria?
Usa as drogas e álcool como desculpa para dizer coisas indelicadas ou para abusar de você?
Te culpa pela maneira com que age ou se sente?
Faz pressão para fazer sexo, mesmo que você ainda não se sinta preparado?
Dá a sensação de que “não há como sair” do relacionamento?
Evita que você faça outras coisas que gosta, como ficar perto da família e de amigos?
Não deixa que saiam de um lugar após uma briga ou abandona você em algum lugar após um desentendimento, só para “ensinar uma lição”?
Fique atento a histórias ou rumores sobre o parceiro. Já ouviu várias versões da mesma história? Os amigos contam coisas sobre ele que você nunca tomou conhecimento ou que o parceiro sempre rejeitou? As “meias-verdades” e memórias seletivas geralmente significam que a pessoa está “modelando” a verdade para você, o que é um indicativo grave de manipulação; descubra o que é realmente mentira e o que é verdade.
Mantenha os amigos por perto, principalmente se o parceiro estiver tentando fazer com que você se distancie deles. O isolamento é uma tática para dominar você, e o parceiro abusivo buscará até uma maneira de fazer com que pareça que a decisão de ficar longe deles é sua. Verifique se o parceiro está sempre falando pelas costas dos amigos, fazendo piadas sobre sua família ou discutindo com você em noites em que você for sair com amigos. Se for o caso, o relacionamento é nocivo e deve ser evitado a qualquer custo.

Dispense comportamentos excessivos de possessividade e ciúme. É legal quando o parceiro te protege, mas exageros são sempre assustadores e incômodos. Ele fica “interrogando” e perguntando onde você estava ao se atrasar cinco minutos por chegar em casa ou ao sair sem comunicar a ele? O manipulador pergunta com muita agressividade sobre o porquê de conversar com um certo indivíduo? Ou diz que você não se importa com ele só porque saiu uma vez com os amigos?
Ao se ver em situações em que você não leva vantagem, distancie-se. Por exemplo: o seu parceiro pode atrasar duas horas, mas você é “atacado” ao atrasar cinco minutinhos? Ou se o manipulador flertar com outro é “só uma brincadeira”, mas ao cumprimentar alguém, você é acusado de ser infiel? O manipulador reclama se você poupa dinheiro, mas também se o gasta? Ou seja, a culpa é sempre sua, o que é algo imperdoável e que não pode acontecer. São formas que esse indivíduo usa para mexer com sua cabeça, muito comuns em relacionamentos manipulativos. Como ele sempre tem razão e você está sempre errado, saia o quanto antes de perto dele!
Ignore as tentativas falsas do manipulador em ser “legal”. Isso acontece depois que a pessoa faz algo imperdoável e depois quer o seu perdão. Fique atento e verifique se o comportamento inadequado dele volta a acontecer assim que ele acredita que já o “fisgou” novamente e conta com sua “complacência”.
Nesse momento, o controlador pode até começar a chorar, dizendo que deseja sua ajuda para mudar, principalmente quando você disser que não vai tolerar mais tais comportamentos. Muito provavelmente, o parceiro dará presentes e coisas caras para tentar impressionar e ganhar uma segunda chance. Caso ele traia sua confiança novamente, corte relações e distancie-se.
Seja honesto com você mesmo, ainda que seja doloroso. Não vai ser algo legal; afinal, relacionamentos manipulativos nunca são. Mas é necessário fazer uma “reciclagem” para saber quais são as preocupações e os sentimentos que nunca entenderá. Esse relacionamento é saudável ou não? Tente ser o mais objetivo possível, analisando como as coisas mudaram desde que conheceu a pessoa.
Pense em como ele faz você se sentir. A pessoa que mais deve ser valorizada em sua vida é você mesmo, não é? Não ache que seus sentimentos são exagerados, sem importância ou tendenciosos; ao não ficar à vontade no relacionamento, quer dizer que o outro indivíduo não está tratando você bem. Distancie-se dele e ponto final. Isso é ainda mais válido se ao identificar as seguintes situações:
Sentir-se assustado pela forma como parceiro vai agir ou reagir.
Sentir-se responsável pelos sentimentos do parceiro.
Arrumar desculpas para justificar o comportamento do manipulador a outras pessoas.
Acreditar que tudo é sua culpa.
Evitar qualquer coisa que possa causar conflito ou irritar o parceiro.
Sentir que o parceiro nunca está feliz com você.
Fazer sempre o que ele quer e nunca o que você deseja.
Ficar com o parceiro pois tem medo do que ele pode fazer ao terminarem o relacionamento.
Analise o resto dos seus relacionamentos. A relação que possui com parentes e amigos estão cada vez mais tensas sempre que o nome do manipulador é trazido à tona, ou quando você fala sobre amigos e família com o parceiro? Se todos que se importam com você demonstram preocupação quando o nome do sujeito é falado, algo está errado.
O parceiro faz com que você mostre suas características boas ou ruins? É necessário amar a si mesmo sempre, pois você é uma pessoa incrível. Caso não se sinta assim, muito provavelmente a energia negativa dele está manipulando-o a chegar ao mesmo nível baixo desse indivíduo.
Esteja atento à maneira com que ele se comporta perto de sua família e amigos, em especial se ele falar mal deles e discutir com eles a todo momento.
Decidir que é “mais fácil” ignorar os amigos e família é determinar que esse monstro conseguiu manipulá-lo e vencer. É fundamental de acabar com esse relacionamento tóxico.
É necessário entender que o manipulador usa seu amor por ele contra você, prendendo-o no relacionamento. Não é culpa sua por amá-lo; ele que deve ser responsabilizado por usar o seu amor como vantagem para ter controle.


Dicas

Não seja ruim com o parceiro. Não é necessário ser igual a ele para fugir do relacionamento; apenas diga que não há compatibilidade e você não deseja continuar o namoro ou casamento. Ponto final. É desnecessário ficar explicando todos os “sinais de aviso” desse artigo, pois esse tipo de pessoa nunca vai reconhecer que está errada. É como ensinar um porco a cantar – você perderá seu tempo e o porco vai ficar mais nervoso ainda.
Se o manipulador já o ameaçou, leve isso a sério e tenha um plano de segurança. Nunca subestime o quão longe certas pessoas podem chegar para manter alguém sob seu poder. Não hesite em ligar para a polícia caso julgue necessário.
Confesse os erros aos amigos e famílias. Peça desculpas para para eles – nunca para o manipulador – por marginalizá-los e não considerar a opinião ruim que tinham sobre essa pessoa. Diga também que deveria ter dado ouvido a eles ao mesmo tempo em que externa toda a mágoa e raiva que sentiu, pois seus amigos e parentes ficarão felizes em compartilhar esse momento. Fale que cortou a relação com a pessoa e que o relacionamento acabou, para a felicidade de todos.
Não despreze as opiniões de amigos e parentes, pois eles apenas querem o seu bem. Uma pessoa pode ser ignorada, mas não todas; elas estão dizendo que seu comportamento está estranho ultimamente, ou que parece estar diferente, mas não de maneira positiva? Alguém que você ama já mostrou descontentamento com seu parceiro?
O estabelecimento de controle é sutil e geralmente ocorre com o passar do tempo. Todo o propósito do artigo é ajudar a examinar seu relacionamento e procurar sinais que indiquem que isso está acontecendo, já que eles podem ser sutis. Um sinal por si só pode não ser problema, mas vários deles já é motivo para conversar sobre o assunto com parentes e amigos. Caso eles afirmem que já perceberam esses indícios, pode ser hora de reavaliar a relação – se possível, fora do controle do parceiro.
Quando tais manipuladores parecem dizer uma coisa, mas fazem outra, abra os olhos e não ouça o que dizem. Decida-se com base no comportamento e a conduta dele em vez de ouvir o que ele fala. Muitas vezes, as desculpas não são sinceras – o que os controladores querem de fato dizer é “Desculpe por não gostar, mas eu farei isso de novo".


Avisos

Pessoas que controlam e manipulam os outros são influenciadas por fatores externos, como pais abusivos ou transtornos mentais e clínicos. Não há como mudar ou “salvar” esse tipo de pessoa, independentemente de quanto se importar com ela. As melhores opções de ajuda são se recusar a ser vítima e direcioná-los a um local para obter ajuda profissional.
Fique atento a comportamento agressivos e ameaças, inclusive aos amigos e parentes ou a cometer suicídio. Não confie em seu próprio julgamento para determinar se as ameaças são sérias; chame a polícia imediatamente. Provavelmente, é apenas uma pessoa difícil, não perigosa, mas é bom não arriscar. Se necessário, obtenha uma ordem de restrição e ligue para a polícia sempre que ela for infringida.
A compaixão não é um sentimento fácil de ser entendido ou aceitado por essas pessoas, o que só machucará a você ainda mais no final das contas, além de ser usado como uma arma pelo manipulador. Cortar relações com ele pode parecer algo cruel, mas isso acaba com as brigas e confrontos, forçando-os a continuar a vida ou procurar ajuda.

Posts Relacionados