Tubarão-baleia é avistado em Atlântida e Xangri-Lá

Tubarão-baleia é avistado em Atlântida e Xangri-Lá

ra para ser mais um atendimento a uma ocorrência pela Brigada Militar, mas foi um encontro inusitado com um tubarão-baleia perto da orla entre as praias de Atlântida e Xangri-Lá, no Litoral Norte d

Leia tudo

Era para ser mais um atendimento a uma ocorrência pela Brigada Militar, mas foi um encontro inusitado com um tubarão-baleia perto da orla entre as praias de Atlântida e Xangri-Lá, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, por volta das 18h na terça-feira de carnaval (13).

Um guarda-vida havia solicitado à equipe aérea da BM que verificasse a suspeita de uma rede de pesca no mar naquela área da praia. Durante a operação, segundo o sargento Ricardo Almada, que estava com o helicóptero, o animal foi avistado.

“Quando vimos pensamos que era uma baleia, mas aproximamos e notamos que tinha barbatana. Identificamos que poderia ser um tubarão-baleia, então fizemos um vídeo da aparição. No fim, não encontramos rede de pesca”, contou o sargento.

De acordo com o professor do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar), Ignácio Moreno, o tubarão-baleia é um a espécie ameaçada de extinção e raras vezes foi visto no Brasil.

“São animais tropicais, geralmente vivem em águas tropicais. Mas com aquecimento, mudança climática, está acontecendo tropicalização dos ambientes subtropicais. Se sabe que muitas espécies estão expandindo suas áreas por causa dessa tropicalização. Acontece muito com golfinhos”, explicou o professor.

Segundo Ignácio, há informações de aparecimento de tubarão-baleia no Rio Grande do Norte e no Rio Grande do Sul, mas não no Litoral Norte gaúcho.

“Provavelmente é o primeiro registro o tubarão-baleia. Ele é um animal filtrador, se alimenta de plâncton, pequenos krils. Está se descobrindo que animais filtradores de grande porte estão ingerindo muito microplástico. A principal causa da extinção é a pesca, mas microplástico é um novo fator de risco”, ressaltou.